Fotografia: Arte sem tempo (Art without time)

Não houve um tempo determinado para acontecer. Aos poucos, foi ganhando formas, cores se misturando, grafites sendo desenhados aqui e ali, partes se quebrando. Não houve tempo nem mesmo para socorrer o muro que entregava sua missão desde erguido. E nunca ao longo do seu tempo ficou estático. O tempo, sempre o tempo, todos os dias, em todos os horários deixou suas marcas. Nossos olhos de olharem apenas passavam sem sentir a dor de um tempo que insiste em permanecer a olhos vistos e atravessar outros tempos impondo a todos a mesma dor de ontem. O tempo não naturaliza a dor. Nós, sim naturalizamos com o silêncio.

There wasn’t a set time to happen. Gradually, it was gaining shapes, colors mixing, graphites being drawn here and there, parts breaking down. There was no time to even rescue the wall that delivered its mission from the next. And never over time has it become static. The weather, always the weather, every day, at all times left its mark. Our eyes of looking just passed without feeling the pain of a time that insists on staying in plain sight and going through other times imposing on everyone the same pain of yesterday. Time does not naturalize pain. We do naturalize with silence.

No había un tiempo establecido para suceder. Poco a poco, estaba ganando formas, mezclando colores, grafitos dibujados aquí y allá, partes descomponiendo. No hubo tiempo ni siquiera de rescatar el muro que entregó su misión desde el siguiente. Y nunca con el tiempo se ha vuelto estática. El clima, siempre el clima, todos los días, en todo momento dejó su huella. Nuestros ojos de mirar simplemente pasaron sin sentir el dolor de un tiempo que insiste en permanecer a la vista y pasar por otras veces imponiendo a todos el mismo dolor de ayer. El tiempo no naturaliza el dolor. Nos naturalizamos con silencio.

Foto: Chronosfer.

28 comentários em “Fotografia: Arte sem tempo (Art without time)

    1. muito obrigado. este post foi, para pegar emprestado o seu site, um turbilhão de sentimentos quanto a tanto que está acontecendo hoje e que já vem de outro tanto tempo. feliz com tua presença e desejo a você muito sucesso e felicidade. cuide-se bem, por favor. o meu abraço.

      Curtir

  1. “Não houve tempo nem mesmo para socorrer o muro que entregava sua missão desde erguido. E nunca ao longo do seu tempo ficou estático. ” nada é estático na memória e acção do homem, da sua herança de aprendizagem reinventamos o que nos deixam!

    nada é o que foi, e o que vem será igual
    tudo irá mudar, construído sob os mesmo erros…
    vedado por novos muros construídos sob as mesmas fundações

    na reflexão das horas de clausura apenas liberdade
    esse sentir que nos corrói a alma
    essa fome de gente, na verdade apenas solidão
    nada nos move pela alegria do outro, cobardia

    a vida é a consequência do incerto
    desse acaso do prazer egoísta
    dessa inverdade germinada no ventre
    e depois tudo é, igual, diferente…
    um tempo novo, um mundo velho
    levado pela avareza do homem…
    que cobra sem dar…

    excelente reflexão sob o que nos transmite a edificação humana, património, físico, moral ou do conhecimento. enorme abraço!

    Curtido por 1 pessoa

      1. Apenas uma possibilidade de interpretação da imagem, a imagem é estática mas a nossa sensibilidade e imaginação voa, como uma gaivota embalada pelo vento, construindo memórias edificando histórias da gente que passou.

        Curtir

  2. Para além de todos os significados e simbolismos associados ao texto do Fernando, creio que esta imagem, carregada de texturas e personalidade é a verdadeira expressão do tempo, daquele tempo que, através dos elementos da natureza, desenha, grava, escava, fractura, etc.
    Uma arte sem tempo, ilimitada.
    Mas é o mesmo tempo que marca o nosso corpo e escreve as rugas na nossa pele.
    Aqui será a arte do tempo…com tempo limitado!!

    Curtido por 2 pessoas

      1. fico feliz, Estevam. não se preocupe com a deferência, é legal saber que o post te levou a escrever sobre. aliás, o bom dos blogs é exatamente isso: quanto também eu fui levado a postar graças aos posts que leio, olho, e me fazem pensar. um grande abraço e saiba que me sinto honrado.

        Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s