Fotografia: A última sessão de música (The last music session.)

Despedidas são pequenas mortes. Às vezes, definitivas. A saudade não deixa espelhos tampouco luzes. Outras vezes, o ato de despedida é uma declaração de amor. Profundo. Declaração de vida. De história. De passos dados juntos. Milton Nascimento se despediu. A vida mais uma vez se fez vida. No espelho, os olhos do tempo.


Goodbyes are little deaths. Sometimes definitive. Longing does not leave mirrors or lights. Other times, the parting act is a declaration of love. Deep. Life declaration. Of history. Of steps taken together. Milton Nascimento said goodbye. Life once again became life. In the mirror, the eyes of time.


Las despedidas son pequeñas muertes. A veces definitivo. La añoranza no deja espejos ni luces. Otras veces, el acto de despedida es una declaración de amor. Profundo. Declaración de vida. De historia. De pasos tomados juntos. Milton Nascimento se despidió. La vida volvió a ser vida. En el espejo, los ojos del tiempo.

Fotos: Chronosfer.

Publicidade

Fotografia: Para além dos olhos (Beyond the eyes)

Às vezes, ou sempre, a linha do horizonte está além do próprio horizonte das linhas do olhar. Quem sabe, o verdadeiro presente (tempo presente) é descobrir passo a passo seus caminhos. Nunca dividir o caminho, o outro lado é apenas o continuar.

Sometimes, or always, the horizon line is beyond the horizon of gaze lines. Who knows, the real gift (present) is discovering your paths step by step. Never spitting the way, the other side is just going on.

A veces, o siempre, la línea del horizonte está más allá del horizonte de las líneas de la mirada. Quién sabe, el verdadero regalo (presente) es ir decubriendo tus caminos paso a paso, el otro lado solo continúa.

Foto: Chronosfer.

Fotografia: O fim do dia é o começo de outro dia (The end of the day is beginning of another day)

Como ser indiferente quando a noite abraça o dia e a vida dentro do seu destino, que é viver? Os dias sempre serão noite e as noites, dias.

How to be indifferent when the night hug the day and life within it’s destiny, which is to live? The days will always be night and the nights, days.

Como ser indiferente cuando la noche abraza al día ya la vida dentro de su destino, que es viver? Los días siempre serán noche y las noches, días.

Fotografia: Chronosfer.

Fotografia: Linhas curvas (Curved lines)

é curva a linha da margem onde habita o horizonte

é curva a margem dos olhos da memória onde se debruçam as veias da vida

é curva a hora da despedida na linha do tempo que vivi


the line of the shore where the horizon dwells is curved

the edge of memory’s eyes is curved where the veins of life bend

it´s curve the time of farewell in the timeline I lived


la línea de la orilla donde mora el horizonte es curva

el borde de los ojos de la memoria es curvo donde se doblan las venas de la vida

es curva el tiempo de la despedida en la línea del tiempo que viví

Foto: Chronosfer. Ruínas Jesuíticas de São Miguel das Missões, Rio Grande do Sul.

Fotografia: O cotidiano não é apenas mais um dia (Everyday is not just another day)

As faces do dia estão entranhadas no cotidiano. Em cada uma a expressão do que faz cada um de nós ser a transformação de si mesmo. Tantas vezes de dentro para fora. Mas é no coração do dentro que vive a alma de cada dia.

The faces of the day are ingrained in everyday life. In each one the expression of what makes each one of us to be the transformation of himself. So many times from the inside out. But it is in the heart of the inside that the soul of each day lives.

Los rostros del día están arraigados en la vida cotidiana. En cada uno la expresión de lo que hace que cada uno de nosotros sea la transformación de sí mismo. Tantas veces de adentro hacia afuera. Pero es en el corazón del interior donde vive el alma de cada día.

Fotos: Chronosfer.

Fotografia: Solitários (Lonely)

Nem sempre, quando o sol amadurece a vegetação dos lagos, a solidão dos barcos é dor. No coração dos cascos habita a lâmina das galáxias das águas que nos liberta.

Not always, when the sun ripens the vegetation of the lakes, the loneliness of the boats is pain. In the heart of the hulls dwells the blade of the galaxies of the waters that set us free.

No siempre, cuando el sol madura la vegetación de los lagos, la soledad de los barcos es dolor. En el corazón de los cascos habita la cuchilla de las galaxias de las aguas que nos liberan.

Foto: Chronosfer. Lago Todos los Santos, Peulla, Chile.

Fotografia: Olhar para mudar ou mudar o olhar…(Looking to change or change the look…)

O tempo não espera. O futuro é a construção do hoje. O olhar…acolhe a distância do tudo a ser feito agora.

Time does not wait. The future is the construction of today. The look… welcomes the distance of everything to be done now.

El tiempo no espera. El futuro es la construcción del hoy. La mirada… acoge la distancia de todo lo que está por hacer ahora.

Foto: Chronosfer.

Fotografia: Um dia de cada vez (One day at a time)

A natureza ensina. A cada dia, um dia diferente. A cada dia diferente, a vida se renova. A cada renovar, o futuro. Um dia de cada vez.

Nature teaches. Every day, a different day. Every day is different, life is renewed. With each renew, the future. One day at a time.

La naturaleza enseña. Cada día, un día diferente. Cada día es diferente, la vida se renueva. Con cada renovación, el futuro. Un día a la vez.

Fotos: Chronosfer.